Manual Blockchain realiza encontro em São Paulo sobre Ethereum e Smart Contracts

1_CqurlsJ8siXKZoV-Rzfl6Q

O Manual Blockchain, agregador de conteúdos colaborativo sobre inovação e tecnologias transformadoras, realiza no dia 31 de julho, às 19 horas, o MeetUp Ethereum e Smart Contracts, no restaurante Café Journal, em São Paulo.

O encontro é voltado para o público leigo que deseja aprender mais sobre o tema e também para os especialistas e investidores, que já possuem experiência no assunto e desejam dividi-las e enriquecer o evento. “O intuito deste MeetUp é promover a troca de experiências, resolução de dúvidas, realizar novos apontamentos e dar espaço para o surgimento de novas ideias a partir de palestras com renomados estudiosos do assunto”, afirma Alex Correa, CEO do Manual Blockchain.

Um contrato inteligente tem como principal diferencial o não envolvimento humano de maneira direta. Em vez de escrito em um papel, ele é implementado com linguagem de programação. Neste protocolo, são definidas regras e consequências estritas, do mesmo modo que um documento jurídico, declarando as obrigações, os benefícios e as penalidades dos envolvidos.

Além disso, um contrato inteligente é capaz de obter informações, processá-las e tomar as devidas ações previstas de acordo com as regras do contrato.

Alguns empréstimos bancários contratados de forma eletrônica representam um bom exemplo do seu uso: quando ele não é quitado no prazo, os juros incidem automaticamente e os valores passam a ser debitados diretamente na conta corrente do devedor.

Programação

O primeiro palestrante da noite será Carlos Rischioto, líder técnico da plataforma de Blockchain da IBM no Brasil e membro do Comitê de Estudo Especiais para BlockChain da ABNT, da SBC (Sociedade Brasileira de Computação), da ACM (Association for Computing Machinery) e da IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers). Rischioto vai abordar casos de sucesso internacionais e pilotos brasileiros, ainda em fase de implementação. Ele destacará o uso da plataforma hyperledger na elaboração dos contratos inteligentes.

“Está claro que a tecnologia do blockchain pode trazer mais segurança e confiabilidade nas transações de negócios, podendo reduzir custos e a necessidade de intermediações. O uso dos SmartContracts pode potencializar tais benefícios e adicionar uma camada de automação na execução de contratos e transações”, afirma o especialista.

Henrique Leite, engenheiro de software e fundador do Go Blockchain, será o segundo palestrante da noite. Ele falará sobre as vantagens e desvantagens de um contrato inteligente, uma vez que ainda há muitos mitos sobre o tema. “Por serem os principais responsáveis por realizar os registros das transações dentro do blockchain, os smart contracts são ferramentas essenciais para o funcionamento de todo o mercado de criptomoedas. Mas eles trazem vantagens que vão além desse universo, como rapidez, segurança, comodidade e controle”, diz ele.

Hackaton Pocket

Além das palestras, haverá uma dinâmica promovida pela Shawee, empresa especializada em Hackaton. O objetivo é que o público reserve 30 minutos para discutir soluções em Blockchain, para diversos setores.

Serviço

Evento: MeetUp Ethereum e Smart Contracts

Data: 31/07, às 19 horas

Local: Café Journal – Alameda dos Anapurus 1121 – Moema, São Paulo – SP

Inscrições: Para participar, é preciso realizar a reserva da vaga. O valor do investimento (R$ 50,00) será revertido totalmente para o próprio participante, em criptomoedas, por meio de um gift card da empresa parceira CoinWISE.

https://www.manualblockchain.com.br/meetup-smart-contracts-ethereum

 

Anúncios

Startup brasileira de Nuvem ganha prêmio internacional da Microsoft

Prêmio

Entre 2.600 nomes em 115 países diferentes ao redor do mundo, a FC Nuvem, startup brasileira de tecnologia, recebe prêmio da Microsoft por demonstrar excelência e inovação no uso de cloud computing para loja virtual de grande e-commerce brasileiro de livros. A premiação ocorrerá no Microsoft Inspire, evento Mundial de Parceiros Microsoft que ocorrerá em Las Vegas, Nevada, entre os dias 15 e 19 de julho. 

 

O Azure Compete Award premia todo o ano empresas que entregam soluções inovadoras de grande valor para o core business de seus clientes utilizando tecnologias em nuvem. O caso de sucesso que levou a empresa a receber este prêmio foi o projeto de migração de infraestrutura de nuvem deste varejista da AWS para o Microsoft Azure, com otimização do ambiente para suportar o imenso volume de acessos e vendas estimado pelo cliente para este período. 

Reconhecimento da Microsoft

 

“Considerado o dia mais importante para o comércio eletrônico, com 10x mais acessos do que o normal durante todo o dia, a Black Friday exige que as lojas virtuais participantes tenham uma infraestrutura robusta, monitorada e suportada adequadamente para este evento.”, relata CEO da FC Nuvem, Fabiano Brito. 

 

As lojas precisam estar disponíveis o tempo todo, com respostas imediatas. Caso contrário a experiência do cliente se torna negativa, o negócio perde um grande volume de vendas e tem sua imagem perante o mercado comprometida. Ter um ambiente seguro, escalável e de alta disponibilidade faz toda a diferença. 

 

Com uma equipe especialista em Serviços Gerenciados de TI e um serviço de NOC 24×7 (Network Operations Center – centro de operação de rede, em inglês) focado no monitoramento de ambiente de missão crítica como um e-commerce exige, a FC Nuvem foi capaz de criar um ambiente seguro, escalável e de alta disponibilidade que suportou uma média de 20 mil acessos na Black Friday, chegando a 46 mil acessos ao mesmo tempo e mais de 12 mil fechamentos de pedidos na primeira hora. 

 

“Este foi um resultado de muito empenho e dedicação de todo o time. Ficamos felizes com tamanha conquista e reconhecimento!”, diz Fabiano.

Logística 4.0: como ela impacta os negócios?

estrategia-de-negocios-como-ela-impacta-o-seu-resultado-810x540

Vivemos em um período de muitas transformações na sociedade, especialmente na forma como os procedimentos evoluem rapidamente e apresentam cada vez mais soluções para potencializar a capacidade e concorrência nos negócios. Sendo assim, a logística, processo fundamental de entrega e distribuição para as empresas, também se atualizou para conseguir acompanhar essa evolução. Com isso, surgiu a logística 4.0, que se baseia na criação de ações inovadoras para aperfeiçoar os processos das companhias.

O que é logística 4.0?

A logística 4.0 é um novo processo de fazer e pensar em logística. Ela se baseia em um modelo avançado de produção, gerenciamento e distribuição ágil de mercadorias, seja dentro do próprio país ou cruzando fronteiras internacionais. Por isso, os gestores precisam adotar cada vez mais ferramentas tecnológicas para que a empresa se mantenha competitiva no mercado. Caso contrário, ela será extinta, porque não poderá atender às exigências dos consumidores diante de seus concorrentes e essa verdade não perdoa ninguém.

Para exemplificar, se hoje a sua companhia leva entre sete e dez dias para garantir a entrega de uma mercadoria após o processo de compra pela internet, em um futuro próximo, esse tempo deverá ser reduzido. Caberá às corporações investir em processos eficientes para armazenamento de estoque e encaminhamento rápido dos produtos, sem perder o controle. Portanto, a logística 4.0 exige que as empresas tenham um planejamento e saibam reagir rapidamente diante das mudanças do mercado, com flexibilidade e eficiência.

Mas, nesse exemplo, será necessário enfrentar as barreiras geográficas e estruturais causadas pelas longas distâncias e a falta de infraestrutura logística (portos e rodovias estruturadas). Isso só será possível mediante a implantação de diferentes canais de distribuição e do uso de ferramentas tecnológicas.

Como a evolução da logística impacta nos negócios?

Os processos logísticos passaram por muitas mudanças ao longo dos anos. A logística iniciou com a Revolução Industrial na Inglaterra no século XVIII, quando começou a expansão das indústrias e o transporte de mercadorias por meio de navios. O processo cresceu ainda mais no século XIX, quando a industrialização começou a chegar até a França e se expandir por meio das ferrovias.

A evolução da logística acompanhou a história da humanidade. Após o fim da Segunda Guerra Mundial, por exemplo, o mercado possuía muitas demandas e produtos foram criados para facilitar o dia a dia das pessoas. Nesse período, os estoques eram controlados de maneira manual, a comunicação mais lenta e os meios de transportes mais limitados. No século XX, a tecnologia começou a ganhar espaço na produção industrial. Com o surgimento dos computadores e da internet, a comunicação ficou mais rápida e os processos ganharam agilidade.

A globalização passou a ser uma realidade e as companhias tiveram mais facilidade para exportar e importar mercadorias. Foi nesse período também que surgiu o código de barras nos produtos, o que facilitou o controle dos estoques. A evolução da logística não parou por aí. A tecnologia foi ganhando cada vez mais força no mercado e novas ferramentas foram criadas. O computador ficou cada vez mais rápido e moderno e a internet ultrapassou os limites anteriores, ganhando velocidade e o protagonismo na sociedade.

Logo, a logística 4.0 está relacionada à automatização das fábricas e de todos os processos. Ela envolve não apenas o uso de computadores, mas de softwares, aplicativos e recursos em nuvem para controlar as operações. A operação logística está relacionada à facilidade de comunicação com o avanço da Internet das Coisas.

Da mesma forma que no passado as empresas precisaram se adaptar para “não morrer”, as companhias de hoje também devem acompanhar as mudanças, ou seja, investir pesado na tecnologia e potencializar resultados com o uso destes recursos é indispensável para empresas que desejam sair na frente da concorrência.

O big data, por exemplo, permite o armazenamento de dados que podem ser processados em alta velocidade. Na logística 4.0 ele está relacionado à coleta de informações de clientes, criação de pedidos e acompanhamento de entregas. Ele aumenta a eficiência operacional e permite a previsibilidade do envio de produtos.

Já a cloud computing possibilita que o gestor acesse as informações da empresa em tempo real. Ela proporciona recursos ilimitados, flexibilidade e segurança para os dados.

A Internet das Coisas, somada às tecnologias anteriores, impulsiona a logística com o uso de dispositivos móveis para o rastreamento de objetos. Sendo assim, será possível acompanhar os itens em tempo real, permitindo a conectividade e inteligência dos processos.

Enfim, a logística 4.0 permite que as companhias tenham processos mais organizados e transparentes para os consumidores. Ela poderá alavancar os negócios – para quem souber utilizar seus benefícios – ou fechar as portas de muitas organizações.

Fernando Alex é executivo de contas da Benner*

RH Techs criam soluções para otimizar processos, evitar fraudes e profissionalizar gestão empresarial

VExpenses I

Um segmento de startups que está em alta no momento é o de RH. Conhecidas como HR Tech (human resources technology) ou RH Techs, os termos definem todas as iniciativas de inovação tecnológica no mercado de recursos humanos. No Brasil, cerca de 122 startups que estão se destacando ao fornecer serviços de tecnologia para a área, atuando em segmentos como recrutamento, avaliação de performance e gestão de processos, de acordo com estudo recente da Liga Ventures, aceleradora de startups.

Essas startups desenvolvem soluções para otimizar vários serviços da área, como por exemplo, a gestão de despesas e os processos de reembolso dos colaboradores. Considerada uma RHTech, o VExpenses, é uma startup de Ribeirão Preto – SP que oferece soluções para a gestão de despesas corporativas. Por meio de um app, é possível facilitar a prestação de contas entre as empresas e colaboradores, além disso, a tecnologia ajuda a evitar fraudes, fazer limite de gastos e buscar economia nos processos com a análise dos relatórios.

VEXpenses

“Um dia voltando de viagem, após um longo período longe do escritório, eu e meu amigo, agora sócio, percebemos que estávamos levando de volta uma quantidade absurda de papel, na forma de recibos e notas fiscais. Começamos a pensar em uma solução mais prática do que escanear as notas e preencher planilhas de reembolso. O VExpenses nasceu para suprir essa demanda utilizando a tecnologia. Com ele é possível criar relatórios de despesas de viagem pelo celular , automatizar conferência de reembolsos e  melhorar o controle da prestação de contas da empresa.” comenta Bruno Pain, co-fundador da empresa.

Hoje o VExpenses tem cerca de 15.000 colaboradores cadastrados e mais de 150 empresas como clientes espalhadas pelo Brasil e América Latina – 57% estão em São Paulo. De acordo com Pain, o uso da tecnologia ajuda a reduzir 88% do tempo gasto com relatórios manuais.

VExpenses II

Feira internacional da Internet das Coisas inicia credenciamento gratuito ao público

internet-das-coisas

Está aberto o credenciamento gratuito para visitantes participarem da terceira edição da IoT Latin America, feira internacional de Internet das Coisas que acontecerá no Transamerica Expo Center, em São Paulo, nos dias 29 e 30 de agosto. A inscrição pode ser feita diretamente no site do evento (www.iotlatinamerica.com.br). A feira é o mais importante evento B2B exclusivamente voltado ao setor e com foco na geração de negócios na América Latina. Simultaneamente à feira também acontece o 3° Congresso Brasileiro e Latino- Americano de Internet das Coisas (IoT), organizado pelo Fórum Brasileiro de Internet das Coisas. Além da exposição, a IoT Latin America apresentará palcos onde serão abordados avanços que impactarão a IoT nos próximos anos. Haverá ainda discussões sobre casos abrangendo todo o ecossistema de Internet das Coisas em diversas verticais. Já estão confirmadas sete palestras.

A IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas) promete ser a resposta para executar tarefas do cotidiano de maneira mais fácil e em menor tempo. O conceito IoT diz respeito a toda infraestrutura tecnológica que tenha acesso à Internet, possibilitando conectar utensílios a outros equipamentos com acesso à rede. A expectativa é de que até 2020 cerca de 25 trilhões de equipamentos estejam integrados a sistemas inteligentes em todo o mundo. Por isso, a IoT já é considerada a mais promissora plataforma de tecnologia do mundo e deve movimentar US$ 19 trilhões até a próxima década, segundo previsões da Cisco, líder mundial em TI e redes. Deste montante, a América Latina será responsável por US$ 860 bilhões, sendo o Brasil o detentor de US$ 352 bilhões – US$ 70 bilhões por parte do setor público e US$ 282 bi do privado. Na sequência vêm México, com US$ 197 bilhões, Argentina, com US$ 79 bilhões, e Colômbia, com US$ 64 bilhões.

De acordo com Fernando Merida, project manager da IoT Latin America, a edição 2018 da feira da internet das coisas já entra para a história como um dos maiores eventos do setor no mundo, por reunir grandes empresas, que representam mercados em franco crescimento, e por reunir os maiores especialistas na área. “Não só traremos produtos para mostrar, mas teremos muito conteúdo no Palco Verticais e no Congresso, e não temos dúvida de que tudo isso resultará em muitos negócios e colocará o Brasil no centro das discussões sobre o assunto durante a realização da feira. A IoT Latin América já é uma referência para o setor e este ano teremos muito para mostrar, debater e também comemorar os bons negócios”, frisa.

Confira as presenças no Palco Verticais:

– O professor doutor em Engenharia Elétrica e Eletrônica, José Carlos de Souza Júnior, do Instituto Mauá de Tecnologia, ministrará palestra sob o tema Smart Campus;

– O case da prefeitura de Barueri, será o tema da vertical Smart City;

– O pesquisador Yan Lopes, vai conduzir a vertical Transporte e Logística, com o tema “Impacto da IoT na Gestão Estratégica da Logística”;

– Alessandro Thomaz Jorge, da empresa Oliver Wyman, vai debater o tema “O impacto de IoT no setor do Varejo”;

– O professor de Tecnologia em Defesa Cibernética da Fiap (Faculdade de Informática e Administração Paulista), Rafael da Silva, conduz a discussão sobre segurança com o tema “Home Security: Warning! You can  be in the BBB”;

– O professor doutor em Engenharia Biomédica, Wagner Sanchez, vai conduzir a vertical Saúde com o polêmico tema “Biohacking – Uma inevitável disrupção”;

– O desenvolvedor de conteúdo da Udacity, Luís Leão vai participar da vertical Residencial, Indústria 4.0 e Varejo, abordando o tema “Android Things – O que você precisa saber para criar um dispositivo conectado utilizando a plataforma Android”.

3º Congresso Brasileiro e Latino-Americano de IoT

Realizado pelo Fórum Brasileiro de IoT, o Congresso terá painéis que englobarão tendências, inovações e desafios da IoT em modelos de negócios, políticas, desenvolvimento e pesquisa, aplicações e padrões, entre outros aspectos. Os seminários reunirão especialistas e pesquisadores nacionais e internacionais em debates que visam fomentar o desenvolvimento da IoT na América Latina.

Serviço:

IoT Latin America – 3ª edição

Quando: dias 29 e 30 de agosto

Horário: das 12h às 20h

Onde: Hall F do Transamerica Expo Center (Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro – São Paulo – SP – CEP: 04757-020)

Credenciamento gratuito para profissionais do setor

Mais informações e inscrições no site www.iotlatinamerica.com.br

 

3º Congresso Brasileiro e Latino-Americano de Internet das Coisas

Quando: dias 29 e 30 de agosto

Horário: das 12h às 20h

Onde: Auditório I – IoT Latin America

Realização: BMComm Real Alliance e Fórum Brasileiro de IoT

Mais informações sobre a programação: telefone (11) 3040-3034 e no site http://iotbrasil.org.br/

Facebook: https://www.facebook.com/internetofthingsbr/

Áreas de seguros e de consórcio seguem tendência do setor financeiro e inovam para crescer

cadeia-de-fornecimento-financeiro-como-inovar-na-sua-empresa-825x542

A necessidade de inovação se faz presente em todos os setores da economia mundial e, no segmento financeiro, não é diferente. Nos últimos dias 8, 9 e 10 de abril foi realizada em Punta Del Este, no Uruguai, a 40a edição do Congresso Nacional de Administradoras de Consórcios (Conac) e deixou muito evidente que a liderança desta área, cujo produto foi criado em 1962 como opção para os juros altos e limitações do crédito no Brasil, entende a urgência da transformação no modelo de negócios, seja nos canais de venda ou de relacionamento com o cliente. E entre as corretoras de seguros não é diferente.

A busca por inovação, como nos outros segmentos, é imprescindível para que as corretoras de seguros e as administradoras de consórcio consigam competir neste mercado, que, por conta da tecnologia, se transforma rapidamente todos os dias. Melhorar a experiência do consumidor, tanto na venda quanto no relacionamento com o cliente, disponibilizar cotações e acesso às informações de contrato por meio de aplicativos móveis, permitir a venda em outros canais disponíveis na internet, como as redes sociais por exemplo, são mudanças urgentes e disponíveis através da tecnologia que permitem uma maior fidelização de clientes e, consequentemente, mais vendas.

Na era da transformação digital, as fintechs, como são chamadas as startups do setor financeiro, trazem inovaçōes e provocam justificável incômodo aos bancos que buscam com inúmeras iniciativas acompanhar esta onda. As corretoras de seguros e administradoras de consórcios, também atividades com processos da área financeira, estão tão expostos quanto os bancos às inovações que podem provocar disrupçōes imprevisíveis ao setor.

As APIs (Application Programming Interface, ou Interface de Programação de Aplicações), componentes de sistemas que permitem interações ágeis com o mundo da web, outros sistemas e smartphones, criam oportunidade para as empresas do setor financeiro transformarem seus negócios ou abrirem novas frentes de atuação conectando-se com os serviços das startups.

Consultoria especializada em oferecer soluções inovadoras e que permitem a transformação dos negócios, a CiaTécnica lançou recentemente um novo produto, o GHubee, que conecta startups e empresas, permitindo o acesso aos serviços das startups para aplicação direta no core business da empresa. Com ele, corretoras de seguros e administradoras de consórcio podem acessar rapidamente e com baixo custo os serviços de diferentes startups, aumentando sua competitividade e transformando o negócio, com possibilidade de aumento exponencial dos resultados.

Nesta realidade, em que a inovação é inadiável, o CEO da CiaTécnica, João Gubolin, afirma que é imprescindível uma transformação dos paradigmas de gestão nas corretoras e administradoras, encarando as mudanças como necessárias e urgentes. O segundo passo é priorizar os investimentos em tecnologia da informação para a reestruturação da arquitetura de sistemas de informação da empresa, que deve ser baseada em APIs. “Com isso, a empresa terá a agilidade necessária para que as inovações ocorram em tempo hábil para competir com sucesso no mercado”, explica.

Cinco coisas que você não sabia sobre malware

malware

Com a criação de um novo tipo de malware a cada 8 segundos, as ameaças digitais se transformaram em um problema grande tanto para usuários domésticos quanto para empresas. Para essas últimas, os prejuízos podem chegar a US$ 359 bilhões por ano. “Quanto maior o índice de uso de software não licenciado, maior a chance de uma infecção por malware”, explica o country manager da BSA| The Software Alliance, a principal defensora global do setor de software perante governos e no mercado internacional, Antonio Eduardo Mendes da Silva, conhecido no mercado como Pitanga. “Softwares originais têm upgrades contínuos, antivírus confiáveis e atualização automática que mantêm sua empresa e seus dados seguros de ameaças digitais”, completa.

Veja abaixo cinco curiosidades sobre os malwares.

  1. Malware é a abreviação de “Malicious Software”, ou seja, uma ameaça digital instalada sem consentimento, escondida em links, mensagens de e-mail ou programas oferecidos “sem custos”.
  1. Quanto maior o índice de uso de software não licenciado, maior a chance de uma infecção por malware: ao usar softwares sem licença, malwares podem se instalar no computador e roubar senhas e keyloggers, mascarar aplicativos bancários, redirecionar seu navegador para sites maliciosos e permitir que hackers acessem seu sistema.
  1. Uma em cada três empresas tem a chance de encontrar ameaças quando obtém ou instala programas ou pacotes de software irregulares.
  2. Uma nova ameaça de malware é criada a cada oito segundos: as empresas demoram até 243 dias para detectar um ataque e outros 50 para resolvê-lo.
  1. Os custos por computador infectado podem chegar a 10 mil dólares.