Agência de viagens promove imersão com visita a empresas inovadoras de SP

Kennedy Viagens Corporativas leva gestores de diversos estados
a vivências profissionais no centro financeiro do País

Inspirada no modelo de negócio de empresas que criam missões de empresários
brasileiros para visitarem centros de tecnologia em vários países, a Kennedy Viagens
Corporativas resolveu fazer o processo inverso elaborando um programa para
executivos e gestores do País conhecerem in loco os bastidores de algumas das
principais empresas sediadas na metrópole paulista.

“Observamos que várias empresas promovem esse serviço para fora do Brasil, só que o
valor que elas cobram gira em torno de R$ 30 mil, incluindo a passagem e a hospedagem,
enquanto o nosso serviço – para visitar as filiais brasileiras das mesmas empresas – custa
em média R$ 5 mil”, afirma Leonardo Bastos, diretor comercial da Kennedy

Há mais de uma década atuando no segmento de viagens corporativas, a empresa resolveu diversificar e fazer um piloto em Janeiro de 2019, levando empresários maranhenses a conhecer, em São Paulo, organizações como Google, IBM, iFood, Peixe Urbano, Empiricus e LinkedIn. “Inicialmente reunimos empresários locais para validar o negócio, mas, diante do sucesso alcançado, a partir de 2020 vamos expandir para outras cidades, como Curitiba, Teresina, Florianópolis, Recife e Vitória”, diz ele.
A Kennedy Viagens Corporativas já abriu as inscrições para a 5ª edição da Missão São
Paulo, que acontecerá na capital paulista, em 2020. O serviço contempla passagem
aérea (saindo de Imperatriz/MA), translado para todos os locais de visitas, Meetup (pré encontro para entrega de brindes, alinhamento da viagem e palestra de inovação) e
Workshop de inovação na prática após a viagem. Serão três dias de imersão, incluindo
visitas a centros de pesquisa, institutos acadêmicos, empresas e startups.

Durante as visitas, os participantes serão acompanhados por um mentor do programa com experiência prática em inovação. Também haverá uma rodada de perguntas e respostas para elucidar tópicos importantes relacionados ao mundo dos negócios e modelos de gestão.

PHOTO-2019-11-26-18-26-26

Equipe Kennedy

CERTI e EMBRAPA promovem feira para indústria 4.0 no agronegócio

Startups com soluções em conservação de alimentos, sanidade animal e segurança alimentar participam de evento gratuito em São Paulo

Empresários, frigoríficos e investidores estarão de olho em startups ligadas à cadeia do gado de corte, ou que tenham inovações com possibilidade de aplicação no setor. Conservação de alimentos, sanidade animal, segurança alimentar e educação desde o trabalhador do campo até o cliente final serão os grandes temas do evento gratuito Gado de Corte 4.0, que será realizado em São Paulo entre 9 e 10 de dezembro pela Rede de Manufatura Avançada para o Agronegócio (RAMA). Startups e pequenas empresas participarão de um bootcamp no primeiro dia de evento e apresentarão suas soluções para grupos de investidores no 2º dia. A programação do dia 10 ainda contará com um workshop sobre a transformação digital desta cadeia.

O evento está sendo promovido pelos parceiros na criação e gerenciamento da RAMA: a Fundação CERTI, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a BASF, que cede o espaço Onono para a realização das atividades. A programação conta com palestras sobre aceleração de startups, estratégias para apresentação de pitches e oficinas para modelamento de negócios. No segundo dia haverá matchmaking com investidores de venture capital, empresas frigoríficas, varejistas e representantes do governo. “A primeira colocada poderá firmar uma parceria com a EMBRAPA, além de participar do programa Pontes para Inovação, uma iniciativa que conecta as startups ligadas ao agronegócio com investidores, para acelerar seus negócios.”, explica André Luiz Oliveira, coordenador da RAMA na Fundação CERTI. 

As empresas e ICTIs participantes vão apresentar soluções inovadoras ligadas às necessidades do mercado identificadas pela RAMA, como redução de custos na produção ou logística da cadeia, geração de impacto positivo no meio ambiente e uso de tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0, como mobile, IoT, Impressão 3D, Sensores Inteligentes, Big Data, entre outros. “É importante também que as inovações tenham capacidade de integrar diferentes agentes da cadeia, criando oportunidades de cooperação e avanço mútuo nos elos, e possam minimizar conflitos”, diz Oliveira. Podem se inscrever empresas que tenham tecnologias com todos os níveis de maturidade, desde soluções em validação laboratorial até protótipos testados em campo.

As inscrições para o workshop são gratuitas e podem ser feitas até 9/12, mas as vagas são limitadas. O objetivo da criação da RAMA é conectar as cadeias do agronegócio, com foco principal na redução de custos e aproveitamento de oportunidades comuns para criar valor à cadeia do gado de corte, utilizando as tecnologias e a filosofia da Indústria 4.0. 

SERVIÇO

Bootcamp e Workshop Gado de Corte 4.0
Quando: 9 e 10 de dezembro
Onde: Espaço BASF / Onono – Avenida das Nações Unidas, 14171, Torre C, 9º andar, Vila Gertrudes, São Paulo/SP
Inscrições: bit.ly/eventogadodecorte 

soybeans-2922257_1920.jpg

Foto: Banco de Imagens/Pixaby

Startup brasileira open banking começa processo de internacionalização

A Transfeera, startup open banking, está expandindo para América Latina com sua solução de validação bancária

A Transfeera, startup open banking especializada em automação para pagamentos e validação bancária, está ampliando sua área de atuação e expandindo para América Latina. Há menos de três anos no mercado de fintechs, a empresa cresce 15% ao mês e já movimenta mais de R$ 55 milhões em sua plataforma. A startup possui clientes como Rappi, iFood, Unilever e Ebanx. 

A internacionalização vem como um movimento natural para empresa, que decidiu que começaria a dar os primeiros passos durante um processo de capacitação. “Nós estamos participando da segunda turma do programa de aceleração da Visa e durante a aceleração tivemos uma imersão no Vale do Silício. Com o constante contato com empresas globais, que ultrapassaram o mercado local, nós percebemos que esse deveria ser o próximo passo para nossa equipe”,  explica Guilherme Verdasca, CEO da Transfeera. 

Para esse pocesso, a startup irá contar com o apoio de alguns clientes. “Temos clientes que atuam na América Latina e nos apoiam nessa expansão. O produto que vamos internacionalizar é a solução de validação bancária, já usada por alguns de nossos clientes aqui no Brasil. A solução checa os estabelecimentos e evita fraudes em suas transações”, conta Guilherme. 

A validação bancária da Transfeera utiliza uma API para verificar de maneira automatizada os dados dos estabelecimentos que recebem dinheiro de clientes como a Rappi e iFood. No processo é checado o histórico dos empreendedores do local, se a empresa existe mesmo, ou se é apenas uma fachada, se possui alguma pendência na Justiça, se a conta é verdadeira e está vinculada a uma CNPJ e não a um laranja. Tudo para garantir que o dinheiro está indo para o local que deveria ir e evitar fraudes e desvios. 

Desde a sua fundação, a empresa já movimentou mais de R$ 1 bilhão, sendo mais de R$ 40 milhões por mês em novos pagamentos. A startup possui mais de 150 clientes e já passou por diversos programas, como o de capacitação Startup SC, da aceleradora InovAtiva Brasil, pela incubadora Softville e, no momento, fazem parte da turma da segunda edição do programa de aceleração Visa 2019. A empresa está localizada no Centro de Desenvolvimento de Tecnologia de Joinville (CDTEC) e possui 13 colaboradores.

Sobre a Transfeera

A Transfeera é uma startup open banking que desenvolve uma plataforma tecnológica que automatiza a rotina de pagamentos das empresas a fornecedores, gerando economia a cada transferência realizada entre diferentes bancos e reduzindo os riscos e o esforço operacional deste processo. A startup também atua com validações bancárias, proporcionando segurança para as empresas contratantes e evitando fraudes. Fundada em 2017, a Transfeera cresce 15% ao mês desde abril de 2019. A empresa já movimentou mais de R$ 1 bilhão e realiza mais de 70 mil de pagamentos por mês. A empresa possui mais de 150 clientes, que vão desde startups a grandes indústrias, como Unilever, Kimberly-Clark, EBANX, ifood, Rappi, Vakinha.

computer-1185569_1920

Foto: Banco de Imagens/Pixaby

Os desafios na Gestão de TI

*Por Leonardo Dominguez Dias – CEO da Evo Systems

 A vida do gestor de TI não é fácil ou simples. A tecnologia permeia todas as atividades em organizações, independentemente do seu tamanho, e suportar as tecnologias que possibilitam a empresa desenvolver suas atividades, é papel do gestor de tecnologia. Mesmo em grande parte das organizações onde o core business não é desenvolvimento de tecnologias em si, a tecnologia tem grande importância para a eficiência operacional.

O desafio de ser inovador, conhecer profundamente cada negócio da empresa para oferecer soluções e promover a evolução tecnológica e a transformação digital, são pontos mandatórios no plano estratégico do Gestor de TI. Muitas vezes, este profissional somente é lembrado quando o ambiente tecnológico da empresa não atende de forma eficiente as necessidades dos colaboradores das áreas de negócios.

As demandas por outros investimentos suprimem investimentos estruturais em TI que muitas vezes trazem benefícios para toda a empresa ou que permitirão dar um salto tecnológico. No entanto, nos deparamos com dificuldades para justificar a aplicação de recursos e como apresentar a melhoria da performance de um produto ou área de negócio específica.

Por esses motivos, ser eficiente no uso dos recursos, oferecer respostas rápidas ao negócio, monitorar o ambiente de maneira sólida, mitigar e eliminar riscos à operação são prioridades na rotina dos gestores. Saber avaliar tecnologias, fornecedores, e propor e desenvolver soluções que promovam diferenciais competitivos são atividades que somente um gestor de TI consegue liderar. Esse profissional é ao mesmo tempo o que precisa manter as tecnologias que permite a empresa rodar (run the business) e promover a mudança/evolução nos negócios (change the business).

Quer saber mais sobre as habilidade e competência de um Gestor de TI?

Um bom Gestor de TI deve estar sempre atento ao mercado e estudar para assimilar e acompanhar a corrida digital.

1 – Conhecimento técnico é fundamental para se tornar um Gestor de TI de sucesso. As dificuldades vão surgir e a equipe precisa contar em 100% com este profissional. Busque por conteúdos relevantes na internet, treinamentos de curta duração e em cursos de especialização em instituições renomadas;

2 – Conhecimento do negócio como um todo e tem que ser aprofundado nesse sentido, inclusive dominar o mercado em que a organização está inserida, e assim, pensar em formar de otimizar a equipe para construir diferenciais para o negócio. Participar de eventos setoriais como feiras e congressos é algo que ajuda a entender o futuro que está se desenhando para o setor;

3 – Comunicação eficiente e real é fundamental para o Gestor de TI. Saber transmitir a mensagem correta, motivar e ouvir contribui na relação com a equipe. É preciso estar aberto aos feedbacks tanto dos pares, quanto de outros níveis hierárquicos da empresa;

4 – O Gestor de TI deve agir de forma preditiva e não apenas quando os problemas surgem. Antever diagnósticos e antecipar as pedras no meio do caminho permite traçar um plano de resolução antes do problema acontecer para não prejudicar a empresa. Para isso estar aberto e em sintonia com fornecedores e seus casos de sucesso e participar de polos de startups como incubadores e aceleradoras, aguça os sentidos sobre o que está por vir;

E o que faz o Gestor de TI de fato?

Existe um amplo mercado para os profissionais de Gestão de Tecnologia da informação, mas quais são as atividades deste profissional?

  • Gerenciamento de pessoas ligados diretamente a TI da empresa;
  • Controle de todos a arquitetura de serviços de TI;
  • Escopo e melhores práticas para utilização correta da TI;
  • Administração da infraestrutura de tecnologia da informação;
  • Diagnóstico, análise e implantação de soluções para redução dos impactos da área de tecnologia da informação na organização.
  • Inovação para promover novos produtos e soluções para automatização de problemas dos clientes dentro do core business do negócio;

Os desafios do Gestor de TI são diários e os tornam ainda melhores no que fazem

Diariamente novas soluções digitais desafiam os Gestores de TI, apesar da empresa estar mais conectada, além de facilidade a mobilidade, há também o desafio de criar um ambiente digital confiável e seguro de alto nível.

  • Segurança da Informação

Os ataques cibernéticos, vazamento de dados e informações, a nova lei LGPD, redes com centenas de computados e devices conectados, são alguns dos desafios do Gestor de TI, que certamente estão no topo da lista;

2)  Conformidade com normas regulatórias.

Há muitos requisitos técnicos nacionais e internacionais para serem seguidos à risca, como por exemplo; a Governança Corporativa,     relatórios financeiros, privacidade e segurança de informações, entre        outros;

  • Evolução das Tecnologias

A automação de processos, a análise de dados, internet das coisas e as tecnologias móveis estão mudando o jeito e a forma como os negócios são feitos, é preciso acompanhar;

  • TI 100% disponível

Comunicação entre áreas, disponibilidade do ambiente, tanto de serviços quanto de servidores são fundamentais para a realização de negócios. – Preciso enviar uma proposta agora e não nos próximos 30 minutos. É preciso lidar com isso;

  • Turnover e Equipe

Lidar com os profissionais de TI altamente especializados sendo capaz de treinar novos talentos. Motivar por meio de uma liderança que busca resultados e valoriza o esforço e dedicação de cada membro da equipe. Capaz de encantar clientes, usuários e fornecedores para garantir o engajamento necessário e formar uma equipe de alto rendimento e entrega de resultados.

Organizações modernas tem esses profissionais nos níveis mais estratégicos, pois são eles que tem a visão de como a tecnologia pode mudar ou gerar novos negócios. São eles que conseguem integrar a empresa tecnologicamente e obter ganhos dessa integração como gestão unificada de dados, controles e segurança da informação, plataformas de negócios e inteligência competitiva.

Sobre Leonardo Dominguez Dias

Leonardo Dominguez Dias é Mestre e engenheiro de computação pela Poli-USP com intercâmbio na universidade do estado da Califórnia USA. Atualmente é diretor da empresa Evo Systems, empresa especialista em inovação em TI e professor de pós-graduação no Mackenzie e no PECE USP. Tem experiência na área de Engenharia da Computação, com ênfase em Arquitetura de Sistemas de Computação, projetos de implantação de fábricas de software e gestão de projetos de desenvolvimento de software e inovação.

leonardo-terno

Leonardo Dias – CEO Evo Systems

Análise aumentada é o futuro de dados e analytics

Análise aumentada é o futuro de dados e analytics

Leonel Nogueira

Diariamente, o volume e a disponibilidade de dados aumentam exponencialmente, o que torna as tomadas de decisões cada vez mais complexas. Para resolver esse problema, desponta a Análise Aumentada, com objetivo de transformar o modo como um conteúdo é desenvolvido, consumido e compartilhado.

Basicamente, a Análise Aumentada, é a automatização de todo o processo prévio à análise de dados realizada pelo cientista de dados. Com alto poder tecnológico, pela a associação do Machine Learning com a Inteligência Aumentada, sua capacidade permite a coleta, limpeza e preparação de um grande volume de dados, sendo capaz de identificar padrões ocultos e disponibilizar insights baseados em análises descritivas e preditivas.

Segundo dados do Gartner, a estimativa hoje, é de que um cientista de dados gaste cerca de 80% do seu tempo de trabalho reunindo, preparando e limpando os dados. Ao utilizar-se da Análise Aumentada o cientista de dados será capaz de fornecer análises avançadas, explorando os dados mais relevantes ao valor do negócio, uma pequena fração do tempo gasto atualmente.

Ferramentas de Análise Aumentada podem ainda incluir o processamento de linguagem natural e interfaces de conversação, permitindo que os usuários interajam com dados e insights, guiando as organizações a melhorarem sua produtividade e outros aspectos essenciais de suas operações.

Ainda, segundo o Gartner, até 2020, a análise aumentada será um fator dominante para novas compras de BI, plataformas de ciência de dados e machine learning. Até 2021, a análise de conversação e o processamento de linguagem natural (PLN) impulsionarão essa metodologia, levando a adoção da tecnologia a quase 50% das empresas.

Os gestores de dados, que planejam adotar análises aumentadas para modernizar as soluções, devem se preocupar os seguintes itens:

Piloto e validação: identifique onde a automação de algoritmos pode detectar padrões nos dados para reduzir a exploração na fase de análise e melhorar a produtividade dos cientistas de dados altamente qualificados, reconhecendo que ainda precisam validar modelos, descobertas e aplicações;

Escale em toda a empresa: eduque os líderes empresariais e tomadores de decisão sobre o potencial impacto transformacional que a análise aumentada pode ter e se usada por um público mais amplo. Também desenvolva diretrizes para o uso apropriado de ferramentas e recursos de análise aumentada, com ênfase em pessoas e processos;

Mitigue a interpretação incorreta do usuário: use ferramentas de análise aumentada para confirmar ou contestar as descobertas, a partir, das interpretações realizadas por humanos. Além disso, recrute pessoas com habilidades analíticas em todas as funções da empresa para agilizar o processo de adoção;

Avalie os fornecedores: familiarize-se e monitore os recursos analíticos dos fornecedores de plataformas de análise e BI, ciência de dados, ML e de preparação de dados de autoatendimento, assim como startups emergentes à medida que amadurecem;

Explore oportunidades: para complementar as iniciativas existentes de análise e dados, teste as análises aumentadas para problemas de negócios de alto valor que atualmente exigem análise manual demorada;

Construa confiança em modelos assistidos por máquina: promova a colaboração entre cientistas especialistas em dados e usuários para testar e provar o valor. Entenda as limitações dos modelos assistidos por máquina, que funcionam melhor com algoritmos comprovados versus técnicas avançadas;

Melhoria contínua: Avalie continuamente a configuração inicial, a preparação dos dados, a abertura, modelos, número de variáveis suportadas, a gama de algoritmos e a precisão do modelo adotado.

unnamed (38)

Leonel Nogueira é CEO da Global TI

Fabricante de artigos para escritório e papelaria investe em loja online e vende 50 mil reais por mês

Sobe mais de 300% o número de empresas que vendem pela internet no Brasil

 

O número de empresas que comercializam pela internet aumentou mais de 300% em dez anos no Brasil, passando de quatro mil para 13,6 mil no período de 2007 e 2017.

Os dados são de um levantamento realizado pela Assespro-PR em parceria com o Departamento de Economia da UFPR. Em 2007, as empresas que comercializavam pela internet correspondiam a 0,3% do total das empresas comerciais, evoluindo para 1,1%, em 2017.

A Isoflex, especializada em produtos para Gestão Visual, artigos para escritório e papelaria, é uma das empresas que está apostando no comércio online de seus produtos para ampliar seus negócios.

Com a loja online desde 2013, foi no início deste ano que a empresa modernizou seu ecommerce com o objetivo de facilitar o processo de compra e atingir diretamente seu público final em todo o Brasil.

Segundo Carolina Wolfart Hartmann, diretora comercial da Isoflex, desde então, os resultados surpreenderam: o faturamento das vendas somente via o site próprio manteve a média de R$50.000 por mês.

“A internet gera uma grande visibilidade aos nossos produtos e facilidade para quem está comprando. Esses clientes recebem os produtos em casa e escolhem as opções para pagamento. Com a internet, são inúmeras possibilidades que se abrem e este ambiente comercial ainda é pouco explorado no Brasil, principalmente em nosso segmento de mercado. Isso tem garantido retornos significativos os quais têm aumentado cada dia mais”, afirma Carolina.

Segundo o estudo, apenas uma em cada 100 empresas no país utilizam a internet para vender seus produtos. “Estamos investindo nesta modalidade e concentrando a nossa força de vendas na utilização da loja virtual como ferramenta de trabalho. É muito prático e a comunicação é facilitada”, explica Carolina.

A Isoflex conta com um portfólio bastante diversificado e atua em diversos setores, atendendo clientes que demandam por gestão visual, com itens como: pastas de procedimentos, displays, porta folhas, porta folders, organizadores de documentos, urnas desmontáveis, quadros flexíveis e outros, que utilizam materiais resistentes e com alta qualidade e durabilidade.

A empresa está localizada no município de Campo Magro (PR), onde mantém cerca de 50 funcionários, e oferece ainda soluções que atendem ao conceito de Lean Manufacturing (Manufatura Enxuta) e melhoria contínua de gestão, produção e comunicação.

Além da loja virtual, os produtos Isoflex podem ser encontrados em comércios eletrônicos de grandes marcas do mercado de papelaria e escritório, como Kalunga e Contabilista, e em marketplaces como Lojas Americanas e Mercado Livre.

www.lojaisoflex.com.br

 

carolina-isoflex-02.jpg

Carolina Wolfart Hartmann, diretora comercial da Isoflex 

Minute Media anuncia aquisição de “The Players’ Tribune”

A operação expande o portfólio do grupo Minute Media mundialmente e fornece ao The Players ‘Tribune novos recursos tecnológicos e alcance global

A Minute Media (https://www.minutemedia.com/), plataforma líder mundial em tecnologia e publicação digital, representada no Brasil através do site 90min (https://www.90min.com/pt-BR), acaba de anunciar a aquisição do The Players’ Tribune (http://www.theplayerstribune.com), a primeira plataforma de conteúdo liderada por atletas do mundo. Os termos da transação não estão sendo divulgados. A conclusão da transação está sujeita às condições habituais de fechamento e espera-se que seja finalizada até o final do ano.
A partir de hoje, o The Players’ Tribune se tornará parte do portfólio de publicações da Minute Media, acrescentando mais uma marca de prestígio à oferta esportiva da Minute Media, fornecendo tecnologia, infraestrutura e alcance global aprimorados ao site americano. Atletas brasileiros como Neymar, Daniel Alves, Marcelo e Marta já escreveram textos para o site, assim como grandes nomes do esporte mundial. Com a atuação global, o site americano passará a atuar também no Brasil.
“Quando fomos pioneiros nesta categoria de histórias contadas por atletas há cinco anos, não poderíamos imaginar que o The Players’ Tribune transformaria o mercado do jeito que aconteceu”, disse Derek Jeter, fundador do The Players’ Tribune em um editorial publicado em primeira pessoa (https://www.theplayerstribune.com/en-us/articles/derek-jeter-the-next-five-2019). “Nossa visão era fornecer aos atletas as ferramentas necessárias para falar com sua própria voz e aproximar os fãs dos jogos que eles amam de uma maneira que simplesmente não existia. Nos últimos anos, o The Players’ Tribune se tornou uma força real, chamando a atenção para questões e histórias de uma maneira que nunca vimos antes. Estamos ansiosos para continuar a dar voz aos atletas – em todo o mundo”, completou o executivo.
A operação aprimora ainda mais a oferta esportiva da Minute Media, fornecendo exclusivamente conteúdo esportivo de todos os pontos de contato. Isso inclui acesso premium aos jogadores pela voz do atleta (com The Players’ Tribune) e storytelling com os fãs e torcedores (com o 90min), além de outras marcas que o grupo possui no exterior. A aquisição, a terceira e maior da Minute Media até hoje, é resultado de um ano de crescimento significativo para a empresa e da adição de marcas confiáveis no portfólio do grupo.
“O The Players’ Tribune representa uma das marcas de mídia digital esportiva mais dinâmicas do mundo”, disse Asaf Peled, fundador e CEO da Minute Media. “Adicionar a marca da comunidade de atletas, contar histórias autênticas e oferecer conteúdo premium é um ato incrível para o nosso portfólio. Nosso objetivo na Minute Media é fortalecer essa posição estabelecida da marca e acelerar a visão de nos tornarmos a principal plataforma global direcionada a atletas e torcedores do mundo. Enquanto continuamos a procurar marcas de conteúdo premium das áreas de esportes e lifestyle, identificamos aquelas com potencial de escala global e aquelas que desenvolveram lealdade e confiança significativas em seu público, das quais o The Players’ Tribune é o principal exemplo”, comemora Peled.
Como parte do portfólio de esportes da Minute Media, o The Players’ Tribune continuará a existir como uma marca autônoma, mas com o benefício de alcance global e acesso a uma plataforma de publicação líder do setor, incluindo o desenvolvimento de ferramentas de público. Dereck Jeter continuará envolvido diretamente nos negócios como fundador e ingressará no conselho de administração do grupo Minute Media.
“Esta foi uma decisão estratégica para acelerar o nosso crescimento em um cenário de mídia sobrecarregado, permitindo-nos ampliar nossa expansão global e utilizar tecnologia avançada desenvolvida pela Minute Media”, disse Jeff Levick, CEO do The Players’ Tribune. “Faz cinco anos que o The Players’ Tribune foi fundado. Desde então, o cenário para plataformas de mídia lideradas por atletas cresceu tremendamente. Como empresa, pretendemos continuar nossa evolução acelerando nosso crescimento e presença global, e esse relacionamento nos permite manter nossa posição como um recurso confiável para os atletas, além de fornecer as ferramentas e serviços para fazer ainda mais”, comentou Levick.
O acordo é mais um passo à frente do The Players’ Tribune em direção ao seu objetivo de construir a maior comunidade de atletas do mundo, fornecendo a eles ferramentas e serviços sem precedentes para que eles possam criar seu próprio conteúdo, aumentar o envolvimento com os fãs e inspirar outros através de suas histórias.
SOBRE MINUTE MEDIA:
Minute Media – https://www.minutemedia.com/ – é uma marca líder de mídia e tecnologia focada em dois pilares principais – plataforma e conteúdo. A plataforma da Minute Media serve como base da empresa, fortalecendo seu conteúdo e permitindo a evolução de outras marcas de mídia digital líderes de mercado. Até o momento, os destinos de propriedade e operação da Minute Media incluem os players 90min, 12up, DBLTAP, Mental Floss e The Big Lead.
SOBRE THE PLAYERS’ TRIBUNE:
The Players’ Tribune (TPT) – http://www.theplayerstribune.com – é uma plataforma de conteúdo inédita que foi desenvolvida por atletas para atletas, para conectá-los aos fãs através do poder da narrativa. Ao fornecer aos atletas as ferramentas para criar conteúdo verdadeiramente pessoal e contar suas histórias, o The Players’ Tribune está reimaginando o mundo do esporte e da cultura do ponto de vista do jogador. Mais de 2.000 atletas contribuíram para a plataforma através de histórias impactantes e poderosas, longas e curtas, séries de vídeos e áudio. Fundado por Derek Jeter em 2014, o TPT fornece uma visão única da conversa diária sobre esportes e aproxima os fãs mais do que nunca dos jogos que eles amam.

IMG_0191

Derek Jeter Headshot – É o Derek Jeter, fundador do The Players’ Tribune
IMG_0192
Asaf Headshot – É o Asaf Peled, CEO do grupo Minute Media